Novo estaleiro de R$ 650 milhões deve gerar 2,5 mil empregos em São Francisco do Sul

Novo estaleiro de R$ 650 milhões deve gerar 2,5 mil empregos em São Francisco do SulDepois de Joinville, com a GM, e de Araquari, com a BMW, São Francisco do Sul, além do terminal de grãos já anunciado em setembro, anuncia mais um mega investimento para a região Norte de Santa Catarina: um estaleiro gigante, com capacidade para montar plataformas de petróleo cujo valor agregado passa de R$ 1 bilhão cada.

A CMO Construção e Montagem Offshore – uma empresa que faz parte do Grupo Construcap, de São Paulo, em parceria com a americana MCDermott – vai investir R$ 650 milhões em um estaleiro no fim da Estrada Geral da Ribeira, uma área de reflorestamento ao lado de uma comunidade que não tem mais do que 20 casas, a maioria de pescadores locais ou moradores de cidades da região que usam o espaço para guardar equipamentos de pesca e pequenos barcos de madeira.

LOGZ Logística Brasil investirá 600 milhões em novo terminal de grãos no Porto de São Francisco do Sul

O projeto é ambicioso: começar as obras em 2015 e colocar todo o complexo em atividade em 2016. O empreendimento já tem dois dos principais fatores resolvidos: a área, com 9 milhões de m², dos quais 500 mil m² serão usados para a unidade, e todo o estudo de impacto ambiental e o respectivo relatório de impacto ao meio ambiente, documento conhecido como EIA-Rima, fundamental para qualquer empreendimento.

A pressa é justificável. O setor é considerado estratégico para o País. O objetivo é atender a parte da crescente demanda nacional no setor de óleo e gás, principalmente por parte da Petrobras, relacionada à construção e integração de dois tipos de plataformas marítimas: as unidades flutuantes e fixas de produção e exploração de óleo e gás.

Em termos do setor, a CMO vai produzir FPSOs (floating production storage and offloading, ou, em português, unidade flutuante de armazenamento e transferência) e FPUs (floating production unit, ou unidade flutuante de produção). Na prática, a palavra integração é a que melhor representa a atuação da empresa.

Petrobras 57

Ela “integra” grandiosos cascos de navios, que são comprados no mercado internacional, às estruturas que compõem uma plataforma de extração e armazenamento de petróleo e gás. São navios como a plataforma P57, que consegue explorar o fundo do mar, extrair o óleo e armazenar tudo o que é retirado nele mesmo.

 Setor em expansão

O empresário Carlos Frederico da Cunha Teixeira, presidente do Sindicato das Indústrias da Construção Naval e representante do setor na Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc), comemorou a instalação da CMO em Santa Catarina.

Segundo ele, hoje o setor está concentrado em Itajaí e Navegantes, e um investimento desse porte na região Norte representa também uma série de melhorias de infraestrutura e logística.

— Vai ser muito importante para a região e para o Estado. Um aporte de recursos assim faz toda a diferença — disse Teixeira.

Esperança e polêmica no futuro próximo

Por enquanto moradores da região comemoram o anúncio. Técnicos do grupo e da Prefeitura passaram pela região nos últimos dias e entregaram material informando sobre o investimento do estaleiro. Os moradores da pequena Ribeira não sabem se terão de sair de onde moram ou acabarão sendo beneficiados, mas prometem acompanhar tudo de perto.

Segundo o aposentado Alire Wuthstrack, 71 anos, um dos moradores mais antigos da região, a ideia de ter uma grande empresa na região faz todo sentido quando o assunto é emprego para os moradores. Ele tem dois filhos com idades entre 25 e 30 anos e considera que a instalação da CMO pode ajudar no desenvolvimento da região.

Um grupo de ambientalistas também começou a estudar a proposta. Um dos primeiros a se manifestar foi Gert Fischer. Para o consultor, que também é integrante do Conselho da Cidade de Joinville e um dos ambientalistas mais conhecidos na região, as obras levarão ao fim os extensos manguezais na região. Ele também diz que o aprofundamento do canal e o aterro para a instalação do empreendimento gerarão outros problemas ambientais.

Empresa quer faturar R$ 1 bilhão por ano

O estaleiro que será construído em São Francisco do Sul terá capacidade para produzir cerca de 15 módulos de plataforma por ano – cada um deverá custar entre US$ 25 milhões e US$ 35 milhões. O cronograma informado até agora prevê que as obras comecem em 2015 e durem 12 meses. A empresa quer faturar R$ 1 bilhão por ano após o início das operações. Por enquanto, não há contratos garantidos.

O projeto do empreendimento foi pensado e desenvolvido para ser posto em prática, inicialmente, no complexo portuário de Suape, em Pernambuco, mas em maio deste ano, depois de enfrentar problemas com a dragagem do porto, no solo onde a unidade seria instalada, e de muita negociação com o governo pernambucano, a CMO desistiu do empreendimento e partiu para um plano B, em Santa Catarina.

A contrapartida oferecida pelo governo catarinense prevê pelo menos R$ 10 milhões em obras viárias que conectarão o estaleiro à BR-280. A negociação foi feita na época com o secretário de Desenvolvimento Econômico, Paulo Bornhausen. A área prevista para o estaleiro fica a menos de dez quilômetros da rodovia. A estrada, que também dá acesso à Unidade Prisional Avançada (UPA) de São Francisco do Sul, não é pavimentada, e suporta, por enquanto, o trânsito apenas dos moradores e de uma linha de ônibus.

Novo estaleiro de R$ 650 milhões deve gerar 2,5 mil empregos em São Francisco do Sul--

Fonte:  http://anoticia.clicrbs.com.br (Leandro S. Junges)


FacebookGoogle+LinkedIn

Veja Também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *